Blog do Galeno Observatório do Livro e da Leitura

16 de outubro de 2018

Salva pela leitura, professora transforma vagões em biblioteca para crianças em Aquidauana

Correio do Estado - PAULA MACIULEVICIUS BRASIL - 25/09/2018

 

 

Os vagões que outrora transportavam passageiros pelo Pantanal, agora levarão cultura, educação e muita leitura para Aquidauana. Projeto de uma professora que nasceu para aprender e ensinar, a Biblioteca Comunitária Roda Viva atende a crianças e adolescentes desde 2009, no Bairro Nova Aquidauana, com roda de leitura, palavras cruzadas e ajuda com as tarefas. Em média, são 50 alunos em cada período, desde os 2 até os 17 anos.

“A leitura salvou minha vida, então comecei a fazer uma corrente do bem, tudo o que recebi foi de uma professora que me ensinou a ler”, conta a idealizadora do projeto, Regina Célia da Costa, de 54 anos.
Pobre na infância, criada em fazenda e com sete irmãos, aos 9 anos, Regina já trabalhava como empregada doméstica quase que em troca de comida e moradia. Podia ir para a escola, mas só depois de terminar de arrumar a cozinha, o que acarretava atrasos.

Uma reprovação na extinta quinta série por faltas, fez com que ela decidisse abandonar os estudos. No ano seguinte, a professora – de quem não se esquece nem o nome e muito menos o bem que lhe fez – foi quem insistiu para que ela desse uma nova chance aos estudos.

“Professora Leonor Mendonça, ela me dizia: ‘Se você tem fome, vá ler um livro, se está triste, vá ler um livro que você vai esquecer. A leitura vai te libertar de muita coisa, inclusive de ser doméstica a vida inteira’”, recorda. Dito e feito, Regina voltou para a escola e nunca mais parou de ler.

Historiadora e adepta da leitura, o pontapé do projeto foi foi no Centro de Aquidauana, região onde Regina morava, com os livros que tinha em casa, inspirada ainda na professora que mudou sua história. Até ser questionada sobre o motivo de não levar leitura para uma vila, onde crianças não contavam com bibliotecas. Em pesquisas, a professora constatou que o Bairro Nova Aquidauana tinha, em sua maioria, beneficiários do Bolsa Família, trabalhadores rurais e indígenas. A ideia então foi submetida e aprovada pelo presidente do bairro e toda a comunidade se levantou para ajudar.

O primeiro espaço onde funcionou a Biblioteca Comunitária Roda Viva era um salão alugado. Desde então, a instituição existe e se mantém por uma gama de apoiadores e voluntários que se mobilizam para fazer com que a leitura chegue para mais crianças.

Com o projeto já consolidado na cidade, Regina conseguiu doação com a prefeitura de três vagões que faziam o itinerário do Trem do Pantanal. Por conta da obra, a biblioteca se mudou para o vestiário de uma quadra de esportes no mesmo bairro e as ações estão, por ora, concentradas na roda de leitura na escola estadual Professora Marly Russo Rodrigues.

A previsão é de que a sede da biblioteca fique pronta e em pleno funcionamento em outubro e que serão oferecidas, além da biblioteca, oficinas e uma cozinha de apoio.

Sobre o nome do projeto, Regina responde com a mesma sensibilidade de quem abre, todos os dias, páginas de um novo livro na vida dos alunos. “Eu acho que a leitura é uma roda viva, não é uma coisa morta. Você vai ler histórias do século passado e ver que elas têm influência hoje. A leitura permanece, você absorve e muda a sua vida, não se lê só por ler”, finaliza. 

Mais Histórias de gente que lê

Todas as notícias sobre "Histórias de gente que lê"

Receba por e-mail


Cadastre-se!

Livrômetro

Relógio da leitura no Brasil

622.080.000

Livros lidos em 288 dias de 2018 no país

Publicidade