Blog do Galeno Observatório do Livro e da Leitura

19 de agosto de 2017

Audiolivro: você pode precisar dele mais do que imagina

Keyla Pereira - IBahia - 25/07/2017

Ler um livro, tê-lo em sua estante e concentrar a atenção no que está conteúdo é bom, não é mesmo? Porém, há pessoas que preferem consumir informação através do áudio, seja em um momento tranquilo ou até durante o trânsito. Mas será que a absorção do conteúdo de um audiolivro é o mesmo se ele fosse lido?

Ao longo da vida, o indivíduo desenvolve canais preferenciais de absorção de estímulo. São eles: auditivo, visual e sensorial, este último também é chamado de sinestésico. “Os indivíduos sinestésicos aprendem mais pela experiência. Todos nós temos um canal preferencial. Porém, não é comum nas escolas explorar o que cada um tem uma aptidão maior ou menor, elas usam o máximo de recursos na absorção da aprendizagem”, explica Débora Franco, psicóloga.

Afinal, qual a função do audiolivro?
Débora comenta que se a pessoa desenvolve a preferência visual e ouve o que está lendo, ela está ativando dois canais sensoriais o que faz com que a apreensão do conhecimento seja mais precisa: “Quanto mais canais sensoriais estimular, maior facilidade terá de reter o conhecimento”. Até indivíduos que não são preferencialmente auditivos e são visuais, podem ser beneficiados por livros em áudio. “As pessoas que mais absorvem audivelmente, passam a ter essa preferência ao

longo da vida, ele não é programado geneticamente”, acrescenta.

Qual a diferença de absorção?
Os livros em áudio estimulam mais a apreensão do conhecimento. “Independente da preferência, há estudos que mostram que as pessoas devem estimular para poder tornar o cérebro mais aguçado, os canais que a pessoa tem mais deficiência”, explica a psicóloga.

Débora também informa que toda experiência que o indivíduo vive, constrói um aprendizado unindo imagem – o que foi visto naquele momento -, uma crença pessoal diante da informação, uma emoção e uma sensação corporal. Elementos importantes para despertar a preferência sensorial.

“Quanto mais significativo for o conhecimento, ele vai gerar uma visualização mental da imagem, e usando canais sensoriais diferentes – como o auditivo -, ajuda a despertar emoções e lembranças associadas ao conteúdo que você está lendo”, conclui.

Mais Entrevistas

Todas as notícias sobre "Entrevistas"

Receba por e-mail


Cadastre-se!

Livrômetro

Relógio da leitura no Brasil

496.800.000

Livros lidos em 230 dias de 2017 no país